A terapia fotodinâmica é uma opção de tratamento aprovada pelo FDA para lesões pré- câncer, como a Queratose actníca e Carcinomas basocelulares iniciais, está sendo aperfeiçoada de tempos em tempos a fim de proporcionar melhoras ao paciente por meio de uma solução menos agressiva.

O procedimento é realizado sem a necessidade de intervenção cirúrgica, e pode ser feita em ambiente clínico. Consiste em um processo simples realizado em duas fases:

1º) Um creme seletivo (com uma substância fotosensibilizante – ALA- 5) é aplicado sobre a lesão para serem captadas pelas células cancerígenas e, através de um curativo especial a pele absorve inteiramente o creme para garantir bons resultados.

2º) É feito a exposição durante 8 minutos à raios de luz vermelha por uma lâmpada especial chamada LED ou Laser. O creme detém a irradiação da luz junto com o oxigênio para a destruição das células cancerígenas.
É possível tratar várias lesões em uma única sessão, pois a luz tem grande penetração dérmica e propicia a profundidade até 02 mm abaixo da epiderme. Porém dependendo do caso também é possível realizar mais de uma aplicação no mesmo local, mas deve ser feito na mesma quantidade que a primeira a fim de não danificar o tecido da pele.

A luz é intensa e por isso é necessário que tanto paciente quanto o médico utilize óculos de proteção aos olhos. O tratamento é feito por equipamentos exclusivos com luz azul, laser ou luz intensa pulsada.

O que o paciente sente no momento da Terapia Fotodinâmica?

Agulhadas e ardor podem ocorrer durante a aplicação da luz e permanecer em algumas horas após o término do tratamento. E é possível amenizar esses sintomas com o uso de água fresca ou ventilação da área.

Como a pele fica após a Terapia Fotodinâmica?

Podem surgir na área tratada: Vermelhão, eritema, edema e às vezes, algumas bolhas que se resolvem em menos de uma semana.